O Escapismo, O Vazio E A Copa Do Mundo



Inomináveis Saudações a todos vós, leitores virtuais!

Neste exato momento se comemora Brasil afora o resultado do primeiro jogo da Seleção Brasileira de Futebol na Copa do Mundo. A euforia que mascara um pouco a realidade, de quatro em quatro anos, é uma das muitas vendas que os habitantes deste país põem nos olhos para que a violência, a corrupção, o desemprego, os serviços públicos precários, a falta de perspectivas da maioria da população e a precariedade de muitos seja esquecida durante noventa minutos. Noventa minutos de perda de tempo escapando da realidade. Cento e vinte minutos de uma prorrogação para a exaltação do vazio de toda uma nação. Cobranças de penâltis levando tudo de uma vez só para ridículas tentativas de esquecimento da deteriorada sociedade onde vivemos.

Não somos um povo devotado a maiores meditações sobre nossa própria condição existencial. São muitos os “intelectuais” que se concentram no exame do estado em que nosso país atualmente se encontra. Muito falam sobre os diversos problemas do país e as possíveis soluções para os mesmos. No entanto, é tudo um falatório insosso e vazio, sem essência, sem profundidade, sem sentido. Nada existe de real a ponto de verdadeiramente representar algum caminho para todo e cada problema estruturalmente orgânico da sociedade brasileira. E esse falatório todo é constantemente repetido dentro de uma constante ordem determinando sempre a exploração do que ele tem de mais inútil, criando alienação e a fuga do que realizaria o início de qualquer efetiva mudança.

Os brasileiros preferem também se alienar, escapando quase perfeitamente da realidade do país. A Copa Do Mundo, assim como o Carnaval ou qualquer outra Festa Popular é um motivo de escape de todas as coisas que afetam a Nação como um todo. E o vazio formado se torna a caixa onde toda a consciência nacional é depositada. E o vazio formado atrai outros vazios considerados essenciais pela mídia que a tudo manipula com maestria. E o vazio formado é o fundamental motivo da continuidade da crise econõmica-política-social pela qual o país passa.  E o vazio formado é amado pelos brasileiros que nele se posicionam. E o vazio formado é um leque de destruições da consciência que determine algum bem para uma realização produtiva de caminhos para mudanças. E o vazio formado forja constantemente armadilhas que embotam a mente. E o vazio formado definitivamente define o Brasil por inteiro, sem manipulações, sem maquiagens, sem rótulos e sem hipocrisia.

O chamado “País Do Futebol” se tornou uma verdadeira Ilha Da Fantasia para milhões de pessoas alucinadas e hipnotizadas de quatro em quatro anos ou qualquer outra festividade que gera apenas uma desculpa para a acima citada fuga. No entanto, fora da Copa Do Mundo, há também outras maneiras de escapar, de se alienar, de não querer visualizar o que nos torna um país subdesenvolvido eternamente tido como gigante apenas na promessa. Somos a Pátria Dos Iludidos, visualizamos poucas chances de salvação e de saída para qualquer situação determinada pelas condições geralmente muito precárias da nossa própria existência como povo. A experiência diária de alienação e escapismo é um gol contra o crescimento em vários sentidos do país a cada milionésimos de segundos. Um 7 X 1 basicamente repetindo-se. Um 7 X 1 tremendamente permanente. Um 7 X 1 ruidosamente transparente. Um 7 X 1 ridiculamente tremulante. Um 7 X 1 transmutando-se de diversos modos em nosso solo há quinhentos e dezoito anos.

A Seleção Brasileira pode ganhar esta Copa Do Mundo de 2018 ou pode sofrer um novo vexame, como a vergonhosa derrota do ano de 2014. Com alegria ou lágrimas, festa ou tristeza, o povo brasileiro, após o último apito de um juiz no último jogo ou a cobrança do último penâlti em uma disputa arrasadora, continuará enfrentando seus diários fantasmas e pesadelos. Com cada um de nós sendo mais craque do que Neymar e Gabriel Jesus ao driblarmos os obstáculos e diversos inimigos de nossos passos nas partidas diárias que disputamos no campo da vida. Desta mesmo, em profundidade e essência, não podemos escapar ou nos esvaziar para nos preenchermos com as ilusões de uma realidade que nos satisfaça. Brasileiros são os melhores jogadores do mundo no quesito de superação do duríssimo Jogo Existencial Humano. E se não fossem as fugas da miséria existencial presente em todo o país, nós seríamos uma Nação protuberante em algo que muito nos falta: VERDADEIRO DESEJO DE MUDANÇAS EM TODOS OS SENTIDOS.

Saudações Inomináveis a todos vós, leitores virtuais!




0 Loucas Pedras Lançadas: