Anjos E Demônios Na Bíblia - Coordenador: Padre João E. M. Terra, S. J.



Tradução dos artigos: Pe. João E. Martins Terra
Revista de Cultura Bíblica - Números 17 e 18
Ano 24 - Nova Fase - Vol. V
Liga de Estudos Bíblicos (LEB)
Edições Loyola
São Paulo
1981
174 pags.


Inomináveis Saudações a todos vós, leitores virtuais!

Pertencente aos números 17 e 18 da Revista de Cultura Bíblica, que antes de 1981 estava restrita apenas aos exegetas e professores de Cultura Bíblica, este livro contém monografias sobre a Fé Cristã e a Demonologia traduzidos pelo Pe. João E. Martins Terra: A Existência De Satanás E Dos Demônios (Paulo VI); Que Coisa Diz A Bíblia Sobre O Demônio (Settinio Cipriani); Reações Ao Discurso De Paulo VI (Gino Concetti); O Ensinamento Do Magistério Eclesiástico Sobre Os Demônios (Domenico Grasso); O Deus Da Paz Esmagará Satanás (Pietro Rossano); Da Ciência À Teologia (John Navone); Uma Verdade De Fé (Sérgio Cotta); A Problemática Demonológica Na Bíblia (Silvério Zedda); Fé Cristã E Demonologia (DOCUMENTO DA SAGRADA CONGREGAÇÃO PARA A DOUTRINA DA FÉ - L’Osservatore Romano, 6 de julho de 1975); A Demonologia De Karl Rahner (J. E. Martins Terra, S. J.); O Diabo: Mito Ou Realidade? (A. M. Kothgasser); Anjos E Demônios (Alfredo Marranzini); Existe O Diabo? Respondem Os Teólogos (João E. M. Terra, S. J.); Existe O Diabo? (Paulo Evaristo, Cardeal Arns); Existe O Diabo? (Francisco Sparta, S. J.); Existe O Diabo? (Luís de Souza); Existe O Demônio (J. A. A. A. MacDowell, S. J.); e Despedida Do Diabo? (Cardeal Joseph Ratzinger).

Este pequeno apanhado de Teologia Cristã versa fundamentalmente sobre o tema do Diabo em sua maior parte, tão atual como sempre fora. Se hoje, nas igrejas pentecostais e neo-pentecostais, há um profundo reconhecimento da influência demoníaca na vida humana, o tema sempre fora caro e vital à Igreja Católica Apostólica Romana. No livro, com cada análise baseando-se no ensinamento bíblico acerca dos Demônios e suas ações, sobra muito pouco espaço para as referências aos Anjos, como anunciado pelo título. Este deveria ser O Diabo E Os Demônios Na Bíblia, adequando-se ao seu conteúdo que se preocupa muito com o Adversário do Poder Divino à frente de seus exércitos de Adversários da Raça Humana.

Mas, o fato de se atentar mais à Demonologia do que à Angeologia não torna desimportante o assunto principal da reunião lógica dos textos escolhidos pelo Padre João para comporem este volume. O mesmo se inicia com um discurso proferido pelo Papa Paulo VI aos 15 de novembro de 1972 acerca da existência dos Seres que são discutidos em cada artigo. Denominado Livrai-nos Do Mal, o discurso diz a certa altura, à página 8:


“(...) Este capítulo, relativo ao Demônio e ao influxo que Ele pode exercer sobre cada pessoa, assim como sobre comunidades, sobre inteiras sociedades ou sobre acontecimentos, é um capítulo muito importante na doutrina católica, que deve ser estudado novamente, dado que hoje o é pouco. Algumas pessoas julgam encontrar nos estudos de Psicanálise ou da Psiquiatria, ou em práticas evangélicas, no princípio da sua vida pública; de Espiritismo, hoje tão difundidas em alguns países, uma compensação suficiente. Receia-se cair em velhas teorias maniqueístas, ou em divagações fantásticas e supersticiosas. Hoje, algumas pessoas preferem mostrar-se fortes, livres de preconceitos, assumir ares de positivistas, mas, depois, dão crédito a muitas superstições de magia ou populares, ou, pior, abrem a própria alma – a própria alma batizada, visitada tantas vezes pela presença eucarística e habitada pelo Espírito Santo – às experiências licenciosas dos sentidos, às experiências deletérias dos estupefacientes, assim como às seduções ideológicas dos erros na moda, fendas estas por onde o Maligno pode facilmente penetrar e alterar a mentalidade humana. (...)”


Trata-se de uma modernização do discurso da problemática que envolve o tema do Diabo na Teologia Cristã, dando o tom dos discursos que se seguem. A leitura pode parecer repetitiva em alguns pontos, mas a escolha dos artigos tende sempre a não deixar de lado a discussão principal acerca das “fendas” citadas por Paulo VI. Fissuras através das quais o Poder Diabólico pode agir no mundo e nos habitantes deste que se entregam aos vícios mais diversificados. Fazendo eco com tal discurso, há, da página 28 à 56, o Documento acima citado no primeiro parágrafo pertence à Sagrada Congregacão Para A Doutrina Da Fé. É o texto mais importante do livro, citando discussões ocorridas nos Concílios de Latrão (1215), Braga (meados do século VI) e um resumo do que a Bíblia diz acerca do tema. É impressionante como este trecho do Documento faz eco com as palavras de Paulo VI, presente na página 54:


“(...) Quanto a este ponto, o ensinamento cristão, com a sua defesa enérgica da liberdade e da grandeza do homem, ao mesmo tempo que põe no devido realce a Onipotência e a bondade de Deus, não manifesta tendências. Ele condenou no passado e continuará a condenar sempre a demasiada facilidade em deixar-se levar a pretextar qualquer solicitação demoníaca. Ele prescreveu a superstição, bem como a magia; recusou-se sempre a capitular perante o fatalismo, assim como não aceitou nunca, em plano doutrinal, a abdicação da liberdade perante o esforço. Mais ainda: quando se fala, porventura, de uma possível intervenção diabólica, a Igreja, do mesmo modo que costuma fazer com os milagres, põe sempre em prática os recursos da exigência crítica. Nesta matéria exige-se, de fato, reserva e prudência. É fácil, na realidade, tornar-se vítima da imaginação é deixar-se aliciar por narrações inexatas, ou desastradamente transmitidas, ou, ainda, abusivamente interpretadas; nestes, como noutros casos similares, deve-se fazer o discernimento; importa deixar aberta a possibilidade de proceder a averiguações e de chegar aos seus resultados. (...)”


Nesse racional contexto, então, encontram-se os artigos presentes neste livro de estudo bíblico que ainda é cabível de ser referência para todo aquele que se interessa pelas questões por ele erguidas. Por curiosidade, o artigo de Joseph Ratzinger, que se tornaria anos depois o Papa Bento XVI, é detentor de uma racionalidade que beira o cientificismo mais árido e desprovido de qualquer enfoque na pieguice de alguns artigos de Fé Cristã do passado, da época na qual o mesmo foi escrito e até os atuais. Fundamentalmente, exerce seu papel atualizando a discussão sobre toda a marcha evolutiva no terreno do Pensamento Cristão sobre os opositores invisíveis aos preceitos bíblicos. Crendo ou não no Diabo e nos Demônios que a Bíblia menciona pelo nome em alguns trechos, vocês, leitores virtuais interessados na Ciência Teológica, de um modo geral, encontrarão um material de qualidade neste livro.

Saudações Inomináveis a todos vós, leitores virtuais!



0 Loucas Pedras Lançadas: