Por Que Votei Na Marina Silva?

Marina Silva

Inomináveis Saudações a todos vós, leitores virtuais.

Não foi um voto movido por simplórias questões ideológicas. Não foi um voto movido por questões religiosas, questões estas também envoltas, como sempre, na obviedade do simplório. Não foi um voto para “querer ser diferente” ou “votar em uma alternativa ao candidato representativo do poder oligárquico e a candidata representativa do lulismo no poder”, fatores igualmente simplórios, em minha visão de Ser. Não foi um voto jogado fora e nem dado ao acaso, não sou tão simplório em minhas escolhas como a grande maioria dos brasileiros é. Não foi um voto dado por uma motivação intelectiva, fato que percorreu a mente de muitos dos que nela votaram, a maioria universitários, seguidores de uma simplória mentalidade aliada ao relacionamento político com “alternativas viáveis”. Não foi um voto de protesto, coisa de mentes e vontades simplórias que não possuem o amadurecimento necessário para uma perfeita escolha política. Não foi um voto mentiroso, mas isento de toda mentira capaz de anular-lhe a validade, foi um voto todo gerado pelo meu desejo de querer algo de mais flexível para o futuro do Brasil.

Fui simplório ao querer o melhor para o futuro deste nosso país, leitores virtuais?

Fui tão simplório quanto qualquer um que voto na Marian Silva pensando em tal mudança, leitores virtuais?

Fui tão estupidamente simplório por crer em um sonho de uma limpeza política nos quadros governamentais deste país dominados por falsos esquerdistas que sequer sabem a diferença entre Marxismo e Leninismo, leitores virtuais?.

Fui absolutamente simplório escolhendo a Marina Silva como minha candidata, leitores virtuais?

Refletindo uma vez. Refletindo duas vezes. Refletindo três vezes. Refletindo sempre na questão do ser ou não simplório, no seguir ou não o gado, não chego a uma resposta definidora do sentido do meu voto. A priori e a posteriori posso dizer-lhes, leitores virtuais, que me sinto muito bem agora após ter nela votado, há muito tempo não me sentia tão bem ao confiar no Ser de um político. Quem acompanha este Mundo sabe o quanto admiro a Marina Silva, sabe o quanto as batalhas que ela trava são por mim admiradas. Votei nela, sim, não apenas por causa de dita simpatia, mas, porque em minha visão política ela seria, como presidente, uma dos políticos do futuro que poderiam trabalhar na transição da Democracia para a Cosmocracia, isto é, o governo de tudo por todos, o real compartilhamento da governabilidade de um país através das mentes de cada cidadão nele residentes. Para que isso ocorresse, transcendentes mudanças na Educação e nas leis trabalhistas, como as reformas necessárias nas esferas judiciária, legislativa e executiva, aqui no Brasil, deveriam ser efetuadas. Sem querer ser um simplório profeta, o Brasil pode se tornar a primeira nação mundial adepta da Cosmocracia, tanto por causa de suas possibilidades de crescimento econômico e no status quo dos paíes dominantes do mundo nos próximos anos quanto pelas dimensões de seus recursos acompanhado pelos imensos aumentos destes.

Marina Silva me parece um ideal presidenciável que pode se cumprir nas próximas eleições, conforme este meu pensamento, dentro dos fundamentos orientadores de uma cosmocrata, a qual ela me parece ser juntamente com o Partido Verde, o qual muitos pensam que apenas lutam por direitos ambientais. Eu a vejo como uma cosmocrata, por tudo o que pensa, defende, segue e pratica politicamente, sem prender-se aos ignóbeis ismos que envenenam a Arte Política. É uma figura pública internacional de notoriedade, que demorou muito a ser reconhecida por nós, brasileiros, os quais fomos seduzidos, desde sempre, por determinadas figuras políticas que se embrenharam nas selvas do crime e da corrupção e da mantira mais deslavada possiveis (como a mentira de nosso Presidnete Luis Inácio Lula da Silva ao dizer que “ficou infdignado” com a agressão ao candidato à presidência José Serra, recentemente praticada). Solidamente, ela pode se tornar a próxima a ocupar a cadeira no Palácio do Planalto, visto seu crescimento nestas eleições (ou plebiscito, já que midiaticamente houve a exacerbada exaltação manipuladora dos dois candidatos representantes dos dois poderes que nos últimos vinte anos manifesaram-se vigentes aqui no Brasil?) ter sido bastante inesperado. Creio que, se o Partido Verde fixar metas de aprimoramento do trabalho dela dentro e fora de seus quadros de atuações, em 2014 teremos uma verdadeira campanha eleitoral e, provvelmente, Marina Silva será a mais forte dos candidatos na disputa. E ganhará, conforme o que vejo, sendo este ver um ver dinamicamente lógico amparado em dados coerentes com a realidade política brasileira futura e não um ver profético que se aproxima de uma alucinação mui pura.

SOU MARINEIRO DESDE CRIANCINHA!!!

Saudações Inomináveis a todos vós, leitores virtuais..

0 Loucas Pedras Lançadas: