A Divina Comédia Do Grande Divino Mestre Dante Alighieri


Nel mezzo del camini di nostra vita

mi ritrovai per uma selva oscura,

ché la diritta via era smarrita.

Ahi quanto a dir qual era à cosa dura

esta selva selvaggia e aspra e forte

che nel pensier rinova la paura!

Tant' è amara che poco é piú morte;

ma per trattar del bem ch'i' vi trovai,

dirò de l'altre cose ch'i' v'ho scorte.

Io non so be ridir com'i' v'intrai,

tant' era pien di sonno a quel punto

che la verace via abbandonai.

Ma poi ch'i' fui al piè d'un colle giunto,

là dove terminava quella valle

che m'avea di paura il cor compunto,

guardai in alto e vidi le sue spalle

vestite già de' raggi del pianeta

che mena dritto altrui per ogne calle.

Allor fur la paura para un poco queta,

che nel lago del cor m'era durata

la notte ch'i' passai com tanta pieta.

E come quei che com lena affannata,

uscito fuor del pelago a lariva,

se volge a l'acqua perigliosa e guata,

cosí l'animo mio, ch'ancor fuggiva,

si volse a retro a rimirar lo passo

che non lasciò già mai persona viva.

Poi ch'èi posato un poco il corpo lasso,

ripresi via per la piaggia diserta,

sí che 'l piè fermo sempre era 'l piú basso.




No meio do caminho em nossa vida,

eu me encontrei em uma selva escura

porque a direita via era perdida.

Ah, só dizer o que era é cousa dura

esta selva selvagem, aspra e forte,

que de temor renova à mente a agrura!

Tão amarga é, que pouco mais é morte;

mas, por tratar do bem que eu nela achei,

direi mais cousas vistas de tal sorte.

Nem saberei dizer como é que entrei,

tão grande era o meu sono no momento

em que a via veraz abandonei.

Mas indo ao pé de um monte com assento

lá onde terminava aquele val'

que o coração me enchera de tormento,

alto lhe vi nos ombros o cendal

vestido já dos raios do planeta

que leva a recta via cada qual.

Então o medo um pouco já se aquieta

que no lago do peito me durava

a noite que passei de pena inquieta.

E como quem a respirar arfava,

escapando do pèlago à deriva,

e as águas perigosas remirava,

assim minh'alma, ainda fugitiva,

volveu a olhar atrás aquele passo

em que pessoa alguma ficou viva.

E tendo repousado o corpo lasso,

retomo o andar na praia assim deserta,

e o pé firme mais baixo sempre faço.


In: A Divina Comédia

Inferno, Canto I, 1-30




Inomináveis Saudações a todos vós, leitores virtuais.


Ao final do ano de 2007 e durante todo o ano passado de 2008, estive a ler, estudar e me aprofundar na leitura da Divina Comédia de Dante Alighieri, uma obra que nos obriga a ser atentos aos seus ocultos dizeres, ocultos horizontes, ocultos patamares, ocultos altares, ocultos mundos. Não pode ser a leitura de dita obra uma leitura tola e fugaz, frágil e superficial, rápida e formadora de uma latitude de compreensão contaminada pela má vontade em ir mais além do que o comum alcance da comum compreensão. Nestes tempos de artificiais leituras e de determinados livros escritos apenas para entretenimento e por dinheiro, soa todo transcendente a todo esse panorama percorrer os versos todos de Dante qual um leitor que busca a densa qualidade e não a intensa falta de qualidade contemporânea. Dante pertence aos Grandes Mestres Da Literatura E Da Poesia Universais, Mestres como John Milton, Johann Wolfgang von Goethe, Ovídio, Hesíodo, Homero, Marquês de Sade, Machado de Assis e tantos outros antigos literatos que davam-se existencialmente ao escrever de seus livros como praticantes da Grande Arte Das Verdadeiras Palavras. Não há em nenhum desses Grandes Mestres a bruta ânsia pelo sucesso repentino, tolo e absurdo dos que atualmente escrevem e vendem milhões de edições de seus livros, comerciantes das letras puramente formados e não Amantes Das Letras Puramente Autênticos. Diria até que o mercado editorial atual, tão cheio de ditames que visam apenas o lucro e os “autores do momento” e os “assuntos do momento” que até se parece com os Violentos que Dante e Virgílio encontram no Sétimo Círculo Infernal:



Oh cieca cupidia e ira folle,

che sí ci sproni ne la vita corta,

e ne l'etterna poi sí mal c'immolle!

Io vidi un'ampia fossa in arco torta,

come quella che tutto 'l piano abbraccia,

secondo ch'avea deto la mia scorta;

e tra 'l piè de la ripa ed essa, in traccia

corrien centauri, armati di saette,

come solien nel mondo andare a caccia.



Oh cega cupidez, louca ira serve

a acicatar-nos tanto a curta vida,

que tanto mal na eterna nos reserve!

Vi ampla fossa em arco assim torcida,

como aquela que o plaino todo abraça,

segundo a minha escolta prevenida;

e entre a arriba e a rocha a fila passa

dos Centauros correndo com as setas,

como usavam no mundo andar à caça.


Inferno, Canto XII, 49-57



Como irados Centauros indo à caça de leitores pelo mundo, os “escritores” atuais dedicados ao acúmulo e ampliação de seus capitais, que não passam, apenas, simplesmente, de depositores de palavras umas atrás das outras em papéis, vão se condenando ao inferno do futuro esquecimento e banimento da Verdadeira História Da Literatura. À medida que o tempo passa, os Verdadeiros Grandes Mestres Literatos E Bardos passam a ser identificáveis, passam a ser reconhecidos, passam a ser venerados, passam a ser historicamente confiados ao crivo dos que Sabem Ler muito mais além do que os seus livros contém. Partindo agora do fosso dos que atualmente se dizem “filhos das Letras” quando na realidade são filhos das moedas, podemos dizer assim junto com o Grande Mestre Dante:



Luogo è là giú da Belzebú remoto

tanto quanto la tomba si distende,

che non per vista, ma per suono è noto

d'un ruscelletto che quivi discende

per la busca d'un sasso, ch'elli ha roso,

col corso ch'elli avvolge, e poco pende.

Lo duca e io per quel cammino ascoso

intrammo a ritornar nel chiaro mondo;

e sanza cura aver d'alcun riposo,

salimmo sú, el primo e io secondo,

tanto ch'i' vidi de le cose belle

che porta 'l ciel, per un pertugio tondo.

E quindi uscimmo a riveder le stelle.



Há um lugar a Belzebu remoto

tanto quanto esta gruta já se estende,

que, não por vista, mas por som é noto

de um regato que por ali descende

da boca de um rebordo pedregoso,

rói o curso que faz e pouco pende.

Nesse caminho pouco luminoso

entramos por voltar ao claro mundo;

e sem cuidar de ter algum repouso,

subimos, antes ele e eu segundo,

tanto que eu vi enfim as cousas belas

que tem o céu, por um buraco ao fundo;

e saímos voltando a ver estrelas.


Inferno, Canto XXXIV, 127-139



Durante Alighieri (Durante, “Aquele Que Agüenta”; Alighieri, “Portador De Asas”) é O Grande Mestre Das Poéticas Estrelas, um dos que me são amigos e mestres, pois me sinto inspiradíssimo tanto por sua história quanto pelo eterno rico conteúdo formidável e nobilíssimo da Divina Comédia, A Obra-Prima Das Obras-Primas Da Literatura Universal. Adotando o diminutivo Dante de seu nome de batismo, sabemos que ele foi batizado aos 26 de março de 1266, mas, a data de seu nascimento é desconhecida, assim como grande parte de sua trajetória; era filho de Alighiero e Bella. Biógrafos como Paul Alexis Ladame (Dante prophète d'un monde uni), Philippe Guiberteau (L'enigme de Dante), Jacqueline Risset (Vie de Dante) e tantos outros tentaram, tentaram, tentaram, tentaram, tentaram e tentaram reconstruir a trajetória dele de todas as maneiras, mas jamais conseguiram posicionar uma linha cronológica firme de acontecimentos autenticamente reconhecíveis por todos os estudiosos e interessados no mundo todo pelo famosíssimo e sempre atualíssimo poeta florentino, cujas origens familiares remontam à Roma. Do pouco que se sabe sobre ele, isso é muito; alguns dados para este post colho do livro Dante, O Grande Iniciado, de Robert Bonnell, uma surpreendente, autêntica, sublime e inédita leitura esotérica da obra do poeta, principalmente A Divina Comédia, que será o assunto do próximo post. O próprio Dante dá pistas pequenas na Divina Comédia sobre suas origens ao mencionar seu trisavô, Cacciaguida, que fora um cruzado em 1147, Cavaleiro que morreu em batalha. Alighiero, um dos filhos de Cacciaguida, transmitiu à sua descendência o seu nome como patronímico, embora a esposa deste, Aldighiera, tenha substituido o nome Elisei por Alighieri, nome de uma família de Pádua. O avô de Dante era um homem rico e o pai não tanto, já que era um tipo de agiota daqueles tempos a cambiar dinheiro; sendo assim, coube ao avô proporcionar uma educação de qualidade ao neto, que facultou-lhe o desabrochar da latente genialidade que sua alma portava já desde o berço. Sua mãe desencarnou quando ele tinha 2 0u 3 anos de idade e o pai quando ele tinha 9 ou 10 anos de idade, fatos que provavelmente fizeram-no crescer poderosamente suportando e aprendendo com esta solitária dor dupla, como anuncia o significado de seu nome completo acima posto.


Entre os mestres de seu tempo que lhe doutrinaram intelectiva e diretamente, temos Fra Remigio Girolami e Brunetto Latini (este sendo o mestre dos mestres no Plano Material, como o denomina Robert Bonnell); entre os do tempo antigo a ele anterior, Platão, Aristóteles, São Tomás de Aquino, São Francisco de Assis, São Domingos, Santo Agostinho, Abelardo, Boécio, Ovídio, Cícero, Joaquim de Flore, Bernardo de Clairvaux e Virgílio (seu Guia Espiritual e Primeiro Mestre, acima de Brunetto Latini). Quinze Mestres, quinze sendo no Tarot o número do Arcano Do Diabo, Aquele Que Abre As Portas Do Umbral Para O Iniciado, As Portas Do Umbral Do Verdadeiro Conhecimento; reduzido, o número 15 resulta em 6, o número do Arcano Do Namorado, o da Escolha Do Iniciado Perante As Forças Antagônicas Em Si Mesmo E Em Seu Exterior. No entanto, uma única Mestra, uma única Alta Inspiração, desde os 9 anos de idade, o guiou até o findar de sua Existência Física; tal única Mestra, única Alta Inspiração, que ele vira pela primeira vez aos 9 anos de idade, foi Beatriz, Beatrice, A Grande Mulher Iniciadora...



Forse semilia miglia di lontano

ci ferve l'ora sesta, e questo mondo

china già l'ombra quasi al letto piano,

quando 'l mezzo del cielo, a noi profondo,

comincia a farsi tal, ch'alcuna stella

perde il parere infino a questo fondo;

e come vien la chiarissima ancella

del sol piú oltre, cosí 'l ciel si chiude

di vista in vista infino a la piú bella.

Non altrimenti il triunfo che lude

sempre dintorno al punto che min vinse,

parendo inchiuso da quel ch'elli 'nchiude,

a poco a poco al mio veder si stinse:

per che tornar com li occhi a Bëatrice

nulla vedere e amor si costrinse.

Se quanto infino a qui di lei si dice

fosse conchiuso tutto in uma loda,

poca sarebbe a fornir questa vice.

La belleza ch'io vidi si trasmoda

non pur di là da noi, ma certo io credo

che solo il suo fattor tutta la goda.

Da questo passo vinto mi concedo

piú che già mai da punto di suo tema

soprato fosse comico o tragedo:

ché, come sole in viso che piú trema,

cosí lo rimenbrar dal dolce riso

la mente mia da me medesmo scema.

Del primo giorno ch'i' vidi il suo viso

in questa vita, infino a questa vista,

non m'è il seguire al mio cantar preciso;

ma or convien che mio seguir desista

piú dietro a sua belleza, poetando,

come a l'ultimo suo ciascuna artista.



A seis mil milhas já, se não me engano,

nos ferve a hora sexta, e este mundo

inclina a sombra quase ao leito plano,

quando o meio do céu, a nós profundo,

vá de fazer-se tal, que alguma estrela

empalidece ao longe a este fundo;

e avançando a claríssima donzela

serva do sol, o céu tal se reclui

de vista em vista até à que é mais bela.

Nem de outro modo o triunfo que aflui

o ponto a rodear que me venceu,

incluso parecendo no que inclui,

pouco a pouco a meu ver desvaneceu;

do que voltar os olhos a Beatriz

o nada ver e amor me constrangeu.

Se quanto o que até aqui dela se diz

fosse concluso todo numa loa,

pouco fora a encher esta matriz.

A beleza que eu vi tal se transcoa

não só além de nós, mas crendo quedo

que só criador dela consoa.

Deste passo vencido me concedo

mais que já foi por ponto de seu tema,

cómico ou trágico, um autor de enredo;

que, como sol em viso que mais trema,

assim no recordar do doce riso

a minha mente já de mim se extrema.

De vez primeira em que avistei seu viso

cá nesta vida, até ter esta vista,

não é o seguir a meu cantar inciso;

mas convém ora meu seguir desista

de ir atrás da beleza, poetando,

como ao limite seu faz cada artista.


Paraíso, Canto XXX, 1-33



Beatriz. Para Dante, nunca perdida, um Ser Maior que aos 9 de setembro de 1290, aos 25 anos de idade, elevou-se ao Plano Espiritual. Para os demais em redor de Dante, Beatriz deixara de existir, existencialmente falando; mas, para Dante, um Iniciado, um poeta que Conhecia o Antigo Saber Das Esferas Espirituais, ela continuava a possuir uma Existência Maior, Existência esta exaltada na Divina Comédia. A Inspiradora, A Iniciadora, A Beatriz, A Bem-Aventurança, dotou-o da visão da Imperatriz, A Mãe Cósmica, A Mulher Universal, Aquela Que Abre As Portas Da Consciência Para O Alto Mundo E O Alto Valor No Âmago Do Um. Em seu desespero, em sua solidão, em sua dor, Dante pode ter, após a desencarnação de Beatriz, se consolado com a Lisetta, a Gentucca, a Pietra, a Gemma e qualquer outra que lhe tivesse ao alcance, fatores carnais que ele não escondeu em seus escritos, sendo relatados com uma total sinceridade, algo que muitos homens contemporâneos não possuem a coragem de afirmar. Essas consolações, no entanto, jamais retiraram d'alma dele a Beatriz Elevada Às Alturas, mesmo quando de seu casamento com Gemma, a qual foi apenas uma companheira e não um amor, Verdadeiro Amor que àquela foi dedicado com a extrema envoltura das mais Altas Vestimentas. A envoltura, a desenvoltura, a estatura, a estrutura, da extensão das Altas Vestimentas constitui a Verdade Poética Dantesca, uma Verdade febril, febril d'Amor Alto, febril d'Amor Altíssimo, febril d'Amor Esplêndido, febril d'Amor Supremo, febril d'Amor Absoluto, febril d' Eterno, febril d'Amor Onisciente, febril d'Amor Onipotente, febril d'Amor Onipresente, febril d'Amor d'Amor d'Amor d'Amor Altamente Verdadeiro Em Seus Potenciais Verbais Poéticos Altos Caminhos! D'Amor se faz a divina primordial primazia de frêmitos vários formatadores da terza rima da espetacular criatividade simbólica dantesca! Dante, no Amor Das Altas Esferas, no Amor Da Alta Beatriz, no Amor Da Alta Bem-Aventurança, se equilibra nos Altos Jardins e traz n'alma A Vestimenta Dourada Do Mago Realizado, A Vestimenta Negra Do Eremita Realizado, A Vestimenta Branca Do Imperador Realizador, A Vestimenta Cinzenta Do Enforcado Realizado, A Vestimenta Verde Do Papa Realizado E A Vestimenta Rubra Do Louco Realizado! Vestimentas que se complementam na Vestimenta Dourada Da Força Realizada, na Vestimenta Negra Da Justiça Realizada, na Vestimenta Branca Da Imperatriz Realizada, na Vestimenta Cinzenta Da Torre Realizada, na Vestimenta Verde Da Papisa Realizada e na Vestimenta Rubra Do Mundo Realizado portados pela Alta Beatriz, A Alta Bem-Aventurança, Amada, Alta Amada, Altamente Eterna Amada Amada Amada Amada Amada Amada Amada Amada Amada Amada Amada!!!


Na Perfeição, Alta Perfeição, do Dantesco Alto Amor, vemos na entrada do Inferno uma Representação Do Alto Amor Representado Por Beatriz, posto que até no Inferno A Vontade Do Alto Amor Se Faz:



Per me si se va ne la città dolente,

per me si se va ne l'etterno dolore,

per me si se va tra la perduta gente.

Giustizia mosse il mio alto fattore;

fecemi la divina podestade,

la somma sapïenza e 'l primo amore.

Dinanzi a me non fuor cose create

se non etterne, e io eterno duro.

Lasciate ogne speranza, voi ch'intrate.”



Por mim se vai à cidade que é dolente,

por mim se vai até à eterna dor,

por mim se vai entre a perdida gente.

Moveu justiça o meu supremo autor:

divina potestade fez-me e tais

a suma sapiência, o primo amor.

Antes de mim não houve cousas mais

do que as eternas e eu eterna duro.

Deixai toda esperança, vós que entrais.”


Inferno, Canto III, 1-9



Porém, à guisa do Alto Amor, Dante e seu Guia Virgílio conseguem ultrapassar todas as intémperies do Inferno e no Purgatório, antes de atravessar o muro de fogo no sétimo terraço, acossado de temores diante das chamas, o Alto Amor Representado Por Beatriz fez-se ouvir dos lábios do Guia, incitando o poeta:



E io pur fermo e contra conscïenza.

Quando mi vide star pur fermo e duro,

turbato un poco disse: “Or vedi, figlio:

tra Bëatrice e te è questo muro.”



E eis-me estacado ali contra consciência.

Quando me viu inteiriçado e duro,

turbado um pouco: “Filho”, me aconselha,

entre ti e Beatriz é este muro.”


Purgatório, Canto XXVII, 33-36



E, diante do Empíreo, diante da Visão Do Um, ao lado do Alto Amor, ao lado de Beatriz, Dante definitivamente Compreende O Alto Amor Em Si E Acima De Si E Em Todos Os Seres Na Criação:



Oh abbondante grazia ond'io presunsi

ficcar lo viso per la luce etterna,

tanto che la veduta vi consunsi!

Nel suo profondo vidi che s'interna,

legato com amore in un volume,

ciò che per l'universo si squaderna:

sustanze e accidenti e lor costume

quasi conflati insieme, per tal modo

che ciò ch'i' dico è un simplice lume.

La forma universal di questo nodo

credo ch'i' vidi, perché piu di largo,

dicendo questo, mi sento ch'i' godo.

Un punto solo m' è maggior letargo

che venticinque secoli a la'mpresa

che fé Nettuno ammirar l'ombra d'Argo.

Cosí la mente mia, tutta sospesa,

mirava fissa, immobile e attenta,

e sempre di mirar faceasi accesa.

A quella luce cotal si diventa,

che volgersi da lei per altro aspetto

è impossibil che mai si consenta;

però che 'l bem, ch'è del volere obiettom

tutto s'accoglie in lei, e fuor di quella

è deffetivo ciò ch'è lí perfetto.



Ó abundante graça, presumi

fitar meu viso em tua luz eterna,

enquanto nela a vista consumi!

No seu profundo vi como se interna,

ligado com amor num só volume,

o que no mundo se desencaderna;

substâncias, acidentes, seu costume,

quase em fusão conjunta, e em tal feição

que quanto eu digo é só um simples lume.

A forma universal desta união

creio ter visto assim, porque em mais largos

voos, dizendo-o, gozo a sensação.

Um ponto só me causa mais letargos

que vinte e cinco séculos à empresa

em que admirou Neptuno a sombra de Argos.

Assim a mente minha, já represa,

mirava fixa, imóvel e atenta

e sempre de mirar se punha acesa.

Aquela luz assim tudo acrescenta,

que dela desviar por outro aspeito

consenti-lo impossível se apresenta;

porque sendo o querer ao bem sujeito,

todo se acolhe a ela, e fora dela

é defectivo o que aí é perfeito.


Paraíso, Canto XXXIII, 82-105



Ser De Alto Amor: Beatriz!


Ser Do Alto Amor: Beatriz!


Ser Em Alto Amor: Beatriz!


Ser Do Todo Do Alto Amor: Beatriz!


Ser Da Eternidade Do Alto Amor: Beatriz!


Ser Do Infinito Do Alto Amor: Beatriz!


Ser Do Kosmos Do Alto Amor: Beatriz!


Ser Da Dimensão Do Alto Amor: Beatriz!


Ser Do Mundo Do Alto Amor: Beatriz!


Ser Do Sol Do Alto Amor: Beatriz!


Ser Da Lua Do Alto Amor: Beatriz!


Ser Da Terra Do Alto Amor: Beatriz!


Ser Do Ar Do Alto Amor: Beatriz!


Ser Do Fogo Do Alto Amor: Beatriz!


Ser Da Água Do Alto Amor: Beatriz!


Ser Do Éter Do Alto Amor: Beatriz!


Ser Da Constelação Do Alto Amor: Beatriz!


Ser Das Estrelas Do Alto Amor: Beatriz!


Ser Beatriz: Ser Alto Amor!


Beatriz Cantante...


Beatriz Cantante...


Beatriz Cantante...


Beatriz Cantante...


Beatriz Cantante...


Beatriz Cantante...


Beatriz Cantante...


Beatriz Cantante...


Beatriz Cantante...


Dante Ouvinte...


Dante Ouvinte...


Dante Ouvinte...


Dante Ouvinte...


Dante Ouvinte...


Dante Ouvinte...


Dante Ouvinte...


Dante Ouvinte...


Cantora E Ouvinte Da Alta Canção Do Alto Amor Da Unidade!


Canção que Robert Bonnell, analisando A Divina Comédia conforme a Tradição Esotérica, também ouve! Canção que neste blog continuará no próximo post!


OUÇAM BEATRIZ CANTANDO!!!


OUÇAM BEATRIZ CANTANDO!!!


OUÇAM BEATRIZ CANTANDO!!!


OUÇAM BEATRIZ CANTANDO!!!


OUÇAM BEATRIZ CANTANDO!!!


OUÇAM BEATRIZ CANTANDO!!!


OUÇAM BEATRIZ CANTANDO!!!


OUÇAM BEATRIZ CANTANDO!!!


OUÇAM BEATRIZ CANTANDO!!!


Links:

The World Of Dante

Società Dantesca Italiana

Dante On line

Leggere Dante

Bibliografia Internazionale Dantesca

Centro Dantesco Dei Frati Minori Conventuali - Ravena

Centro Scaligero di Studi Danteschi - Verona

Dante Society of America

Digital Dante Project

Deutsche Dante-Gesselchaft

Ente Nazionale Giovanni Boccaccio









0 Loucas Pedras Lançadas: