"Não carregue mais do que você pode suportar"


Exu Capa Preta - Autoria Desconhecida


"Não carregue mais do que você pode suportar"

Assim me disse o Exu Capa Preta na resposta de uma pergunta que lhe fiz em uma noite de sábado de forte gira. Uma resposta que me tocou muito e até hoje me incomoda, pois muito carrego na minha mente, corpo e alma. Poderia ser mais uma vez egocêntrico e egoísta, a arte maior da minha reles humana vidinha; mas, me volto para todos vocês, gente amiga e gente inimiga, perguntando sem lhes ofender:

VOCÊS CARREGAM MAIS DO QUE PODEM SUPORTAR???

Carregam, mortais?

Carregam, mortos?

Carregam muito?

Carregam pouco?

Carregam tudo?

Carregam nada?

Se negam a carregar?

Se negam a suportar?

Muita gente finge possuir uma felicidade que não tem. Muita gente pesca em rios de alegrias que nunca permanecem. Muita gente corre por estradas de esfuziante prazer e nunca se preenchem inteiramente. Há mais hipócritas neste mundo do que pessoas verdadeiramente sinceras. Há mais atores e atrizes fingindo por todo canto carregarem apenas belas coisas no coração, na mente e na alma... Muitos atuam neste exato momento, sorridentes, exalando plenitude de vitórias incessantes, explanando atitudes de sonhos alcançados, mentindo no selfie do Instagram, do Facebook, do Twitter, de toda rede social. Muita felicidade pode ser encontrada na Internet, não é mesmo? Muita alegria em delirantes selfies, não é mesmo?

Porém, perguntem somente aos sorridentes e felizes se aceitam o que verdadeiramente carregam.

Sim, perguntem ainda a esses grandiosíssimos astros dos filmes ficcionais virtuais se eles suportam o que verdadeiramente carregam.

As respostas podem ser outros sorrisos.

As respostas podem ser evasivas.

As respostas podem ser vazias.

As respostas podem ser mentirosas.

As respostas podem ser verdadeiras.

As respostas podem ser sinceras.

As respostas podem demorar a ser dadas.

As respostas podem nascer fugidias.

As respostas podem não ser manifestadas...

Braços cansados, pernas bambas, pés rasgados, mãos perfuradas, olhos arrancados, lábios inchados, corpos linchados, mentes abortadas, almas dilaceradas: todos tem.

Todos tem, mas a maioria se nega a admitir o peso dessa bagagem multiplicativa em si mesma.

Quanto a mim... Bem, em tudo que eu escrevo já está a minha resposta.

Inominável Ser
UM MAU ATOR
PORQUE
NÃO SABE
FINGIR




Procuro Repouso


 Alycia Starr


Procuro repouso
Na montanhosa carne
Que molda tua bunda
Gigantescamente depravada.

Procuro repouso
Na deliciosa carne
Que forma a loucura
Da sua suada bunda.

Repousarei
Com a língua no meio
Da tua bunda.

Repousarei
Com a pica dentro
Do teu cu.

Inominável Ser
REPOUSANDO
EM UMA
ENORME BUNDA




O Pornográfico Maravilhamento Artístico De Jan Kowalewicz



Inomináveis Saudações a todos vós, leitores virtuais!

Jan Kowalewicz é um artista nascido aos 02 de Fevereiro de 1983 em Kerala, Ottapalam, na Índia. Criado em Warsaw, na Polônia, estudou Arte e Arquitetura na Domin Studio de 2006 a 2009. Especializado em Design de Interiores, começou a desenvolver uma série de desenhos voltados para o público adulto que vieram a trazer-lhe fama e reconhecimento na Internet. Em suas extensão no Facebook, Instagram, Patreon e YouTube angaria milhares de seguidores a apreciarem a sua pornográfica versatilidade pictórica.

Mas, apenas definir a pornográfica qualidade de sua arte é reduzir a mesma a um só estado interpretativo. Só que, dentro das perspectivas da mesma, somos levado a um intenso mundo de possantes turbilhões de visões saídas diretamente de um filme pornô. É como se Kelly Divine, Jada Stevens, Cherokee D’ass, Kid Bengala, Babalu, Loupan, Aline Rios, Angel Lima, Darlene Amaro, Mandingo, Virgo Peridot e toda a plêiade de artistas pornográficos se transferissem para cada um dos traços das criações de Kowalewicz em pleno movimento. E o que mais denota a nossa atenção é o senso de movimento impresso a cada imagem representada, vivas, pulsantes e quentíssimas imagens que nos guiam a uma viagem incessantemente profunda aos carnais abismos.

E uma viagem aos carnais abismos é sempre uma viagem sem nenhuma volta. É como pegar um trem direto para um inferno onde não há escapatória. É como beijar os pés do Anjo Da Luxúria em pleno vôo por entre os suados leitos. É como sorver o sangue da Vulva De Lilith no meio de um deserto onde se pratica uma interminável orgia. É como se adequar a um mundo onde todas as questões morais e que atam a consciência, a liberdade de ser e a espontaneidade se tornam extintas lembranças bem distantes. É como pousar as mãos sobre uma quentíssima brasa de carvão acesa sobre um asfalto a arder por causa de um sol de 50º C. É como ser parte de uma subcultura que, inegavelmente, sempre será hipocritamente incompreendida pela massa humana que compõem grupos contrários à livre expressão artística e de pensamento.

A Arte de Jan Kowalewicz me causa todas as sensações acima e é dificílimo ser imparcial diante de algo que me conquistou tanto quanto as Artes de ser Paolo Eleuteri Serpieri, Maurizio Barraco e Apollonia Saintclair me conquistaram. Não estou querendo comparar as artes de tais Mestres com a deste Mestre apresentado neste post; imbecilidade pura minha seria comparar artistas que em si mesmos possuem incomparáveis riquezas. O que quero dizer dentro e fora das entrelinhas é que as sensações e os arrebatamentos diante dos artísticos aspectos das obras de cada um deles narra uma mesma específica história: a da confirmação da Deusa Arte em cada base criativa de ação do artista e da reação daqueles que admiram ou rejeitam a sua obra. Pois, rejeitar uma obra de arte é também uma maneira de integrá-la aos termos da própria Arte. Inegavelmente, leitores virtuais, vocês aí lendo este texto e logo a seguir admirando as imagens que selecionei, esse serão atingidos por diversas sensações heterogêneas. Cada uma destas apenas confirmará e reafirmará a qualidade artística intrínseca de cada uma delas.

É Verdadeira Arte, como sempre este Inominável Ser que vos escreve defenderá, o que temos no portfólio deste artista plenamente fecundo e incansável, fértil e densamente a expandir sua habilidade em técnicas tão distintas quanto a Pintura Digital, Aquarela, Nanquim, Aerografia ou as popularíssimas canetas esferográficas, entre tantas outras, como poderão verificar na galeria abaixo feita para a admiração deste sensacional, espetacular e único trabalho. Somente divergir em palavras sobre o que ele cria não é o suficiente, então, leitores virtuais, a partir de agora, às artísticas imagens abaixo…

APRECIEM SEM MODERAÇÃO!!!